sábado, 31 de janeiro de 2009

Algumas curiosidades do Chaves e Chapolin


Caros Amigos,


Ao estar visitando o site Turma do Chaves (www.turmadochaves.com), descobri algumas curiosidades dos seriados Chaves e Chapolin, que são manias nacionais e internacionais e este blogueiro é uma destas pessoas que gosta muito dos programas. Ao notar estas curiosidades, achei muito interessante e gostaria de compartilhar com as pessoas que estão sempre visitando este blog.


- O Chapolin é um inseto
O Batman é um homem-morcego. O Spider Man é um homem-aranha. E, o Chapolin Colorado, é um homem-gafanhoto. “Chapulín” – nome original do personagem – é um gafanhoto, que, no México, é comido frito. Assim como na Coréia e na Índia, no México também se comem vários tipos de insetos.

- O Chapolin poderia não ser colorado
Quando Roberto Gómez Bolaños criou o personagem Chapolin e foi fazer o seu uniforme, a emissora Tim – que, mais tarde, passaria a se chamar Televisa – dispunha de tecidos de apenas quatro cores: branco, preto, azul e vermelho. O branco, poderia dar problemas em relação ao reflexo que, naturalmente, prejudicariam a imagem. Preto é cor de luto, além disso deixaria o Chapolin muito parecido com outro herói: o Batman. O azul era uma cor boa, mas logo foi descartado, pois Bolaños já previa o uso de um efeito chamado Chromo Key, que consiste em sobrepor uma imagem a outra; assim, caso o Chapolin fosse azul, nas cenas onde ele está no céu, desapareceria. Portanto, diante destas opções, Chespirito optou por utilizar o vermelho como cor predominante no uniforme do personagem.

- A estréia
O primeiro episódio do Chaves foi exibido no dia 20 de junho de 1971, no México. Nesta época, o Chaves era um quadro do programa “Chespirito”.

- Endereço do Sr. Barriga
O querido personagem Sr. Barriga mora na Rua Baleia, esquina com a Rua Cachalote, na Vila dos Elefantes.

- O carro do Sr. Barriga é uma Brasília
Em alguns episódios da série Chaves exibidos no Brasil é mostrado o carro do Sr. Barriga. O curioso é que, em todos, o veiculo é uma Brasília. Portanto, trata-se de uma presença brasileira no humorístico, pois este automóvel foi o primeiro lançado pela Volkswagen com design desenvolvido no Brasil.

- Por que “Chaves”?
O nome original do personagem que dá nome à série mais famosa de Bolaños é “Chavo”, que, na gíria mexicana, significa garoto travesso. Na forma de falar, “Chavo” em espanhol é quase idêntico a “Chaves” no português. E, por isso, foi escolhido este nome pela direção de dublagem brasileira.

- Por que “Bruxa do 71”?
A atriz espanhola Angelines Fernandez começou a trabalhar com Chespirito no início de 1971. Por isso, a sua personagem leva o nome de “Bruxa do 71”. Logo que o Chaves se tornou um programa independente, a personagem passou a morar no apartamento 71 para encaixar com o seu nome.

- Hector Bonilla
Embora tenha participado de apenas um episódio no seriado Chaves, Hector Bonilla tornou-se, ao menos no Brasil, um personagem popular. “Mas afinal, realmente ele é um ator?” Resposta: Sim. Hector fez, dentre outros trabalhos, a novela “Viviane, em busca do amor” – exibida no Brasil no ano de 1984 –, em 1978, onde foi protagonista. Esta telenovela é considerada uma das melhores já feitas no México. O episódio da série Chaves que contou com a participação ilustre de Bonilla foi gravado em 1979.

- Quico ou Kiko?
”Quico” é o nome do personagem criado por Roberto Gómez Bolaños para à série Chaves. Quando Carlos Vilagrán, interprete do personagem, deixou o elenco para ter o seu programa solo na Venezuela, registrou o nome “Kiko”.

- A despedida do Quico
Os episódios de Acapulco - gravados em 1978 - foram os últimos que contaram com a presença do personagem Quico. A canção “Boa Noite, Vizinhança”, tocada no terceiro e último capitulo de Acapulco, foi composta por Bolaños e é algo como um “até logo” ao amigo, que nunca mais voltaria a participar de seus seriados.

- “Quero ver, outra vez...”
A música “Quero ver”, citada em alguns episódios das séries Chaves e Chapolin, ao contrário do que muitos fãs possam pensar, não é criação de Roberto Gómez Bolaños e, tampouco, foi feita especialmente para os humorísticos. A canção, na verdade, é bastante popular no México, e foi regravada por vários músicos mexicanos.

- Tangamandápio existe
Tangamandápio, local onde nasceu o carteiro Jaiminho, realmente existe. Porém, ao contrário do que retrata-se no humorístico, Tangandápio não é uma cidade, é um Vilarejo, que localiza-se na cidade de Cuernavaca, no México.

- Homenagem a Chespirito
Em 2000, a Televisa – emissora mexicana – dedicou um dia inteiro, no Canal 2, “El Canal de las Estrellas”, para homenagear Roberto Gómez Bolaños “Chespirito”. Na homenagem, amigos pessoais, celebridades internacionais e intelectuais falaram de sua admiração pelo comediante e, todos, coincidiram que ele é inigualável. Um dos momentos mais emocionante ocorreu quando Carlos Villagrán, intérprete do Quico, que estava na platéia, subiu ao palco e abraçou Roberto. Ambos, não viam-se há mais de 20 anos.

- Bolaños e o rei Pelé
Em entrevista concedida à “Rede TV!” em 1999, Chespirito contou que o brasileiro Pelé tinha interesse em levar o Chaves e a sua turma ao cinema. De acordo com Chespirito, o convite foi feito através de uma ligação telefônica. O comediante não aceitou. Possivelmente, daí veio o filme “Os Trapalhões e o Rei do Futebol”, lançado no ano de 1986.

- Acidente de avião: ocorreu ou não?
Em meados da década de 90, houve um boato, trazido por parte da imprensa brasileira, que dizia que todos os atores que participaram dos seriados Chaves e Chapolin haviam morrido em um acidente aéreo. O fato é que jamais ocorreu acidente deste tipo – pelo menos que tem-se notícia – com o elenco dos humorísticos. Os atores que não mais vivem são: Angelines Fenandes (Dona Clotilde), Ramón Valdez (Seu Madruga), Horácio Bolaños (Godinez) e Raul Padilla (Jaiminho, o carteiro). Todos faleceram por outros fatores.

- Mil vezes Chaves
Muitos fãs nos questionam sobre quantos episódios do humorístico Chaves foram gravados. Em realidade, possivelmente, nem o próprio criador da série, o mexicano Roberto Gómez Bolaños, saberia responder com precisão essa indagação. O que sabemos, e podemos assegurar, é que, entre os anos de 71 e 92, respectivamente inicio e fim definitivo do seriado, foram filmados mais de mil capítulos. Em tempo: atualmente, o SBT conta com 137 episódios (esse número já foi maior).

- “Pichorra”
Assim é conhecido um dos mais famosos “episódios perdidos” – nome dado pelos internautos aos capítulos que, ao longo dos anos, o SBT deixou de exibir - do seriado Chaves. Esse episódio é uma das versões da “Festa da Boa Vizinhança”. Quanto a “Pichorra”, esse nome foi dado, estranhamente, pela equipe de dublagem da série aos bonecos que seriam quebrados pela turma no capítulo em questão. A palavra, em português, vem de "picho" e, em espanhol, não quer dizer absolutamente nada. A quebra de bonecos com um pedaço de pau e com os olhos vendados – como salientado na história -, é costumeira no México em ocasiões especiais, sobretudo em festas infantis. O nome verdadeiro desse tipo de boneco é “Piñata”.

- Música tema dos “pombinhos”
A canção de fundo que sempre toca quando os personagens Dona Florinda e Professor Girafales se cruzam pertence ao clássico filme “E o Vento Levou”, lançado no ano 1939.

- Pópis foi "ex-fanha"
A Pópis, do humorístico Chaves, na versão em espanhol – ou seja, a original –, teve como marca principal a sua voz fanha nos primeiros capítulos; posteriormente, essa característica foi retirada. Curiosamente, a dublagem brasileira manteve a voz fanha da personagem. De acordo com especulações, Roberto Gómez Bolaños teria decidido retirar essa peculiaridade da personagem em detrimento da reclamação de um pai, que havia lhe dito que não mais veria os seus seriados, posto que seu filho, fanho como a Pópis, era motivo de piadas relacionadas a então nova personagem da série Chaves.

- Nascimento de filho afastou Maria da temporada de 74
No final do ano de 1973, Maria Antonieta de las Nieves, atriz responsável por dar vida a personagem Chiquinha, do Chaves, teve que se afastar do elenco das séries por estar grávida. De las Nieves retornou ao humorístico Chaves no capítulo - de nome sugestivo - “O Regresso da Chiquinha”, gravado em 75. Essa informação, que é a verdadeira, contradiz, pois, a visão de outrora do portal Turma do Chaves, que, assim como muitos sites brasileiros do gênero, ligavam a retirada da intérprete da Chiquinha a participação em um programa solo – que, nessa ocasião, não ocorreu, definitivamente. As fotos enaltecidas abaixo expõem a saliência da barriga da atriz em capítulos que datam do ano de 73.

- Glória e Paty já tiveram mais de um rosto
As personagens coadjuvantes do humorístico Chaves, Glória e Paty, já foram vividas por mais de uma atriz. Glória, a “nova vizinha”, já teve três intérpretes: Olivia Leiva, Regina Torne – a mais conhecida pelos brasileiros - e Maribel Fernández. Já Paty, a menina que balança os corações do Chaves e do Quico, foi interpretada por quatro atrizes (desconhecemos o nome de uma delas): Rosita Bucho, Ana Lílian de la Macorra, Verónica Fernández. Detalhe: Verónica é filha, adotiva, de Maria Antonieta de las Nieves, a Chiquinha.

- Florinda passou por cirurgias no nariz
Em um programa exibido pela TV Azteca – canal mexicano - chamado “Historias Engarzadas”, Florinda Meza, atriz que encarnou a personagem Dona Florinda, do humorístico Chaves, esclareceu algo que era dilema para muitos dos seus fãs: a mudança no desenho do seu nariz. Segundo relatou a esposa de Bolaños na oportunidade, sua mãe sofria de problemas neurológicos e, em uma crise violenta, jogou-lhe um ferro de passar, que quebrou o osso do seu nariz. Na época, ainda criança, Meza teve de ser submetida a uma cirurgia. Já adulta, a atriz teve problemas respiratórios, quiçá por seqüelas daquele golpe, e passou por diversas intervenções cirúrgicas.

- “Pipipi...”
Em entrevista para um canal brasileiro, Roberto Gómez Bolaños contou que a criação do choro do Chaves, uma das principais marcas do personagem, foi inspirada em um de seus filhos, que, quando criança, chorava “para dentro” emitindo um som similar ao “Pipipi...”.

Em tempo: Quando Ramón Valdés (Seu Madruga) morreu, em agosto de 1988, o enterro foi acompanhado por muita gente. E, como afirma Edgar Vivar (Sr. Barriga), todos aplaudiram quando terminaram de enterrá-lo. Há outro fato emocionante que também é comentado pelos que estiveram presentes. Angelines Fernández (D. Clotilde), que era muito ligada a Ramón, sofreu muito. E, no enterro, ficou parada duas horas diante da sepultura de seu companheiro, chorando e falando sozinha, como se estivesse conversando com Ramón. Uma filha de Angelines disse que a mãe nunca mais foi a mesma depois da morte dele. Que descuidou da saúde, envelheceu mais rápido. Era sem dúvida uma forte amizade. As filhas de Ramón Valdés afirmaram que o pai era muito amigo especialmente de Carlos Villagrán (Quico), Edgar Vivar e Angelines Fernández.

- No programa do Chaves há uma aluna chamada Iara que só falou 7 palavras e nunca mais apareceu. Ela aparece vestida de azul no episódio em que os alunos estão fazendo a prova de desenho na escola. É nesse mesmo episódio que Chiquinha pede para fazer uma "observação". Fora Iara há 6 personagens na escola que nunca foram chamados. Três tem nome: Higino, Elisabete e Verônica.

- Angelines Fernandez, a "Bruxa do 71", era considerada uma das mulheres mais bonitas do México, nos anos 40. Acredite se quiser...


Espero que tenham gostado e matado algumas de suas curiosidades sobre estes seriados que ganharam o gosto e prestígio de todos nós!!

6 comentários:

Tamyris Araujo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tamyris Araujo disse...

Olá Ivan! Muito legal o seu blog...gostei bastante do post sobre os inesquecíveis Chaves e Chapolin Colorado! :) (Não sabia de quase nenhuma curiosidade...rs)
Parabéns pelo seu blog! Estarei passando sempre por aqui!
Grande abraço!

Blog do Cláudio Henrique disse...

Cara, o Chaves é uma enciclópedia de humor. De forma simples, ele faz todos rirem. Bom, deixa eu ir assistir agora ne, abraços.

Diego Fernandes disse...

Essa da gravidez da Chiquinha eu não sabia, ainda estava com a informação anterior, que ela havia tentado a entrada em um programa solo. Legal! Muito massa essa postagem, e saudades da época que eu escrevia pra estes sites.

natalí disse...

Pq será que eu achei este post a sua cara??

O blog está maraaaaaaaaaaaaaa...

Anônimo disse...

De todos os personagens do Chaves oque eu mais gostava era o Seu Madruga que pena que ele faleceu :/