domingo, 6 de abril de 2008

O Sistema Penitenciário no Brasil


Caros amigos


Quando estudamos matérias como Sociologia e Antropologia Cultural, aprendemos que quando um indivíduo nasce, ele sofre um intenso processo de socialização ao meio que vive, aos costumes e as normas de conduta que são pré-estabelecidas perante à sociedade brasileira. Quando essa pessoa acaba cometendo um ato infrator, ele é, segundo normas do Estado, e segundo os pensamentos sociólogos, sendo punido e castigado com o intuíto de não cometer novamente uma infração. Ou seja, ele deverá pensar duas vezes antes de cometer tal infração.

Fazendo uma comparação com os ensinos e a nossa realidade, questionamos: será que o sistema penitenciário brasileiro é capaz de filtrar a má conduta deste infrator, fazendo com que se arrependa e reabilitando ao convívio social? Já que o lema das autoridades é que essa pessoa passará por uma "ressocialização" sendo colocada em condições animalescas e inumanas, em cubículos superlotados, além de várias vezes serem submetidos a tratamentos brutais desnecessários? Infelizmente, nesta realidade na qual vivemos, é economicamente impossível solucionar este problema embora, segundo pesquisa, um detento custa para o governo o valor mensal de 700 reais que são pagos por nós através dos impostos. É também esta realidade na qual se faz a sociedade discriminar o ex-detento não dando para ele a sua segunda chance.


Temos que mudar, com razoabilidade e bom senso, a legislação que rege a vários anos fazendo com que a prisão é tida como violência a sombra da lei. Enquanto nada é feito, os inocentes que acabam sendo presos, se transformam em presos de alta periculosidade ou morrem vítimas das condições físicas e morais. Claro que também a corrupção predomina neste sistema onde delegados, policiais e carceireiros deixam o seu lado profissional facilitando a entrada de drogas, celulares e até mesmo a fuga de tais presos, contribuindo com este cenário que mancha nosso país.


Agora é a hora de todos nós mudarmos nossa atitude e confiarmos mais na pessoa humana, tirando de lado os aspectos políticos, financeiros e administrativos. É a hora de refletirmos sobre nosso preconceito, arrogância, ambição, enfim, tudo aquilo que sentimos diariamente e que atingem nosso próximo que esteja passando por uma grande necessidade. Se fizermos tudo isso, podemos esperar que um dia esse cenário que marca nosso país seja mudado.

4 comentários:

Ronaldo Ruiz disse...

Muito bom os dois textos Ivan! Parabéns! Realmente do jeito que os presidios estão não dá para uma pessoa se ressocializar, como eu já disse no blog do Claudio uma vez, para a burguesada é tudo simples: MATA! Uma solução simples que não resolveria nunca o problema, a questão é mais profunda. Em relação aos desenhos animados e programas infantis do passado, sinto saudades deles, eles que fizeram sonhar e ter uma infancia feliz!

abraços
www.historiasdoronaldo.zip.net
www.fotolog.terra.com.br/historiasdoronaldo

Anônimo disse...

Parabens Ivan!!Gostei muito do seu ponto de vista!!!
continue assim!!!

bjss e tudo de bom pra vc!!=)
Jana

Blog do Cláudio Henrique disse...

E ae doutor. Cara, boa amostragem e problematização. O grande caso é que cadeia virou escola de criminalística, não adianta amarrotar o meliante lá dentro se nao ressocializá-lo de fato. Muitos defendem a pena de morte como princípio de reforma carcerária, porém isto é um absurdo, uma vez que só morreria ladrão de galinha. O segredo para a verdadeira reforma é enxada na mão e punidade sem exceção. Abraços e excelente texto jornalistico e opinativo.

Anônimo disse...

Oi...
Ivan o seu texto é a pura realidade do nosso brasil!
Parabéns!!!e que você continue expondo suas idéias pois o brasileiro precisa sim abrir os olhos...
mas uma vez você esta de parabéns amei ler seu texto e sabe r do seu ponto de vista!
:)...