segunda-feira, 24 de novembro de 2008

17 anos sem Freddie Mercury



Caros Amigos,

Há exatos 17 anos, a banda inglesa Queen teve uma de suas grandes vozes calada. Trata-se de Freddie Mercury, que conquistou o carinho de todas as pessoas que até hoje prestigiam o sucesso do grupo. Queen é uma banda de rock liderada atualmente por Brian May (guitarra), Roger Taylor (bateria) e John Deacon (baixo). Foi uma das mais populares bandas inglesas dos anos 1970 e 1980, sendo precursora do rock tal como hoje o conhecemos, com magníficas produções dos seus concertos e videoclipes das suas canções. Mesmo nunca tendo sido levada a sério pelos críticos da sua época, que consideravam a sua música "comercial" (a crítica de hoje considera os Queen como uma das melhores bandas de rock de todos os tempos), a banda tornou-se a das mais famosas entre o público, graças à sua mistura única entre as complexas e elaboradas apresentações ao vivo e o dinamismo e carisma da sua estrela maior, o vocalista Freddie Mercury.


O início da banda remonta a 1967, quando Brian May, Tim Staffell e Roger Taylor formaram o trio Smile, no Imperial College em Londres, onde todos estudavam. Após a saída do baixista e vocalista do grupo, Tim Staffell, na Primavera de 1970, May e Taylor foram apresentados por Staffell a Farrokh Bulsara em abril do mesmo ano, o qual viria a ser o vocalista da nova banda com o nome artístico Freddie Mercury, batizando a banda com o nome Queen. Em 1971, John Deacon completou a formação dos Queen como baixista.


Freddie Mercury nasceu na cidade de Stone Town, na ilha Zanzibar, à época colônia britânica, hoje pertencente à Tanzânia, na África Oriental. Seus pais, Bomi Bulsara e Jer Bulsara, eram indianos de etnia persa. Mercury foi educado na St. Peter Boarding School, uma escola inglesa perto de Mumbai, na Índia, onde deu seus primeiros passos no âmbito da canção, ao ter aulas de piano. Foi na escola que ele começou a ser chamado "Freddie" e, com o tempo até os seus pais passaram a chamá-lo assim.


Na faculdade ele conheceu o baixista Tim Staffell. Tim tinha uma banda na faculdade chamada Smile, que tinha Brian May como guitarrista e Roger Taylor como baterista, e levou Freddie para participar dos ensaios. Em abril de 1970, Tim deixa o grupo e Freddie acaba ficando como vocalista da banda que passa a se chamar Queen. Freddie decide mudar o seu nome para Mercury. Ainda em 1970 ele conheceu Mary Austin, com quem viveu por cinco anos.Foi com ela que assumiu sua orientação sexual (Freddie era bissexual),e os dois mantiveram forte amizade até o fim de sua vida.


Mercury compôs muitos dos sucessos da banda, como "Bohemian Rhapsody", "Somebody to Love", "Love Of My Life" e "We Are the Champions"; hinos eloqüentes e de estruturação extraordinária, particulares e sempiternos.Suas exibições ao vivo eram lendarias,tornando-se imagem de marca da banda,o avontade com que freddie dominava as multidões e os seus improvisos vocais envolvendo o publico no show,tornaram as suas turnês num enorme sucesso,tanto na decada de 70 mas principalmente enchendo estadios de todo o mundo nos anos 80.


Lançou dois discos solo, aclamados pela crítica e público.Em 1991 surgiam rumores que Mercury estava com AIDS, que se confirmaram em uma declaração feita por si mesmo em 23 de novembro um dia antes de morrer, vindo a falecer na noite de 24 de novembro de 1991 em sua propria casa, chamada de Garden Lodge. Sua morte causou repercussão e tristeza em todo o mundo. A casa de Freddie Mercury, passada por testamento à sua ex-namorada, Mary Austin, recebeu muitos buquês de flores na época, e continua a receber até hoje. O corpo de Freddie Mercury foi cremado e por isso infelizmente não existe tumulo para que o seus fãs viessem para homenagear.


Mesmo assim, o Queen e a voz de Freddie Mercury continua nos corações dos grandes amantes de suas músicas que são sucesso. Valeu Freddie Mercury!!!

5 comentários:

Natalí disse...

Muito bom Ivan!!! Amudorei o post! Cara, eu jurava que ele era gay, não tinha noção de que era Bi... que crioso!

bjs...

Blog do Cláudio Henrique disse...

Cara, Queen marcou e marca história. E o Freddie era show. Pena que bons cantores vão cedo para a Eternidade. Abraços meu.

blogdozemarcos.com disse...

A banda Queen é um ícone do rock. E Freddie Mercury uma voz incrível. Sou fã desses músicos e da irreverência deste cantor, que emocionou tanta gente também com "How Can I Go On" (Como posso continuar), ao lado de Montserrat Cabalé. Belo texto, bela lembrança, amigão!

Ester Leão disse...

Olá, Ivan. Muito obrigada pela visita e, também, por linkar minha Home Page em seu blog. Está de parabéns pelos posts, em especial este que fala Freddie Mercury. Coisas boas não permanecem por muito tempo... Como diria uma amiga de SP - "Esse era o cara", rs! Olha só... Pq não tornar-se seguidor de blog? Me segue aí! rs. Gde abraço. E a propósito, me lembro de vc sim, até comentou sobre o post do Zé Marcos (com uma foto minha pra lá de natural, kkkk.

Juliana Farias disse...

“Following the enormous conjecture in the press over the last two weeks, I wish to confirm that I have been tested HIV positive and have AIDS. I felt it correct to keep this information private to date to protect the privacy of those around me. However, the time has come now for my friends and fans around the world to know the truth and I hope that everyone will join with my doctors and all those worldwide in the fight against this terrible disease. My privacy has always been very special to me and I am famous for my lack of interviews. Please understand this policy will continue.”

Esta foi a declaração dele no dia 23/11/1991. Nossa.. Eu tinha 7 anos e me lembro da escola, dos amiguinhos, das coisas que aprendi naquela época. Lembro que se falava muito em camisinha naquele ano e a AIDS era uma doença que minha mãe explicava que era muito ruim, muito grave e não tinha cura, por isso todos ficavam preocupados. Perdemos um HOMEM com todas as letras maiúsculas e que faz tanta falta no cenário musical de hoje - estes cantres que não trazem novidades, que se repetem, que são todos iguais.

Eu sinto muita falta dele. Engraçado, né?